domingo, 18 de outubro de 2009

REDE vai preparar profissionais para Copa e Olimpíadas

O Brasil definitivamente entrou para o calendário e para a história do esporte mundial, com a Copa de 2014 e com os Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.
REDE vai preparar profissionais para Copa e Olimpíadas Grupo educacional voltado para o esporte pretende chegar a 150 franquias e 20 mil alunos em 2010.
Já vislumbrando essa realidade, um grupo de empresários ligado ao esporte acaba de criar a Rede de Ensino Desportivo, REDE.
Tudo de olho no mercado de esporte e bem estar, considerada a terceira maior indústria mundial.
Atividade que mais cresce no mundo, este setor movimentou US$ 500 bilhões em 2007 e atingirá o patamar de US$ 1 trilhão, em 2012.
A REDE que pretende valorizar o esporte por meio da qualificação dos seus profissionais, nasce com a chancela de um patrono de peso, o professor de educação física Edson Arantes do Nascimento, ou como é mais conhecido, Pelé.
"Cuidar do corpo e da mente é ter uma boa qualidade de vida. Esse é o verdadeiro e maior patrimônio do homem", afirma Pelé.
Outra grande figura por trás desta iniciativa é o seu presidente Waldyr Soares, renomado empresário do setor de esporte, saúde e bem-estar, com 25 anos de experiência e referência na América Latina.
"É a concretização de um sonho de um grupo de empresários de educação que acreditam na ideia da democratização do ensino, com qualidade e excelência", afirma Soares, pensando já na evolução da profissionalização no segmento esportivo em função dos eventos que acontecerão no Brasil nos próximos anos.
Para 2010, Waldyr estima que a REDE terá 100 faculdades parceiras, 150 franquias por todo o Brasil e 20.000 alunos.
A REDE utilizará a tecnologia de a de ensino à distância com cursos telepresenciais de alta capacitação e a interação em tempo real entre professores e alunos, o que garante o caráter democrático do ensino.
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP/MEC) registra um grande crescimento na modalidade de ensino à distância, no Brasil, com o número de cursos passando de 10, em 2000, para 349, em 2006.

O negócio é superar os obstáculos...




...e aproveitar as oportunidades que vão surgindo ou Criar novas Opções!!
Fonte:www.portalrede.com.br 13/10/2009

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Rio 2016




A decisão final sobre a candidatura do Rio de Janeiro à sede das Olimpíadas de 2016. O assunto dominou esta semana.









Muita gente a favor (dogmáticos e patriotas), muita gente contra (pragmáticos e revolucionários).

Durante muitos anos este debate aconteceu de forma acalorada, porém sem base prática nenhuma, já que nunca tínhamos sediado nenhum evento sequer parecido com os Jogos Olímpicos. Mas isso mudou em 2007 com os Jogos Pan-americanos do Rio.
Neles, tivemos a oportunidade de observar como o nosso país trata este assunto: como planejou e executou o projeto de uma grande competição multimodalidade de âmbito internacional.

Pois bem, diversas interpretações podem ser feitas sobre os fatos, e respeito a todas, mas a minha é que o Pan 2007 destruiu todos os argumentos que poderiam ser eventualmente arrolados para se defender uma nova postulação deste tipo. Numa análise minimamente isenta do que tivemos no ano retrasado, enumero:

1. Os Jogos trarão desenvolvimento urbanístico e de infra-estrutura para a cidade. Mentira: o PAN aconteceu e 95% das obras de infra-estrutura programadas para a cidade sequer saíram do papel. Transporte, moradia, segurança, tudo na mesma;

2. Os Jogos representarão um aquecimento extraordinário para a economia da cidade e até do estado. Mentira: custando cinco vezes mais do que o planejado, e precisando de forte ajuda federal, não consegui encontrar números consistentes (taxa de emprego, renda “per capita”, investimentos de médio e longo prazos) deste aquecimento no caso do PAN. Foi aquele entusiasmo apenas dos dias das competições.

3. Os Jogos deixarão um valioso legado de estruturas esportivas a serem utilizadas após os jogos pela população e/ou atletas brasileiros. Mentira: o complexo Maria Lenk e o velódromo da Barra estão “abandonados”, o Engenhão e o Ginásio Poliesportivo subutilizados sem nenhuma perspectiva de melhora, o Vôlei de praia foi realizado em arena desmontável e o Beisebol foi jogado num campo que já existia e que alagou durante as chuvas nos jogos.

4. Os Jogos favorecerão uma mudança na estrutura esportiva nacional, estadual e municipal, como novas políticas públicas de incentivo à iniciação esportiva e ao esporte de alto nível. Mentira: o PAN rolou até sem muitos erros e nada disso aconteceu. Nossos políticos e dirigentes estão muito mais preocupados com os próprios bolsos e em alimentar seu ego do que com o país.

5. Os Jogos favorecerão o envolvimento da população com outras modalidades esportivas, induzindo a população brasileira a diversificar suas preferências esportivas. Muito relativo: nos dias das provas até acontece algum envolvimento (claro!), mas acabou e voltamos a ser o país do futebol. Já está provado que para ser uma potência Olímpica, muito investimento sério e bem focado é necessário. Mesmo que num rasgo de patriotismo de nossos políticos estes investimentos fossem aprovados, a nossa endêmica corrupção nunca permitiria que eles gerassem bons resultados.

6. Todas as cidades que fizeram Olimpíadas se deram bem e saíram fortalecidas. Nem sempre: em Barcelona isso de fato aconteceu, mas em Atenas não. Montreal (primeiro mundo, heim!) 1976 enfrentou problemas e foram num desastre financeiro, pois de uma estimativa inicial de custo de US$ 310 milhões, as despesas atingiram US$ 1,5 bilhão, acarretando o descontentamento da população canadense e levando o Canadá a passar décadas até conseguir quitar os débitos contraídos para a organização do evento.

Bem acho que chega! Tirem suas próprias conclusões.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

O treinamento funcional chegou à seleção brasileira de basquete



A seleção brasileira adulto masculina de basquete já aderiu ao treinamento funcional na sua preparação para a Copa América em Porto Rico, o preparador físico, Diego Jeleilate incorporou à preparação física o uso do Fitness & Sport Stride e do Body Togs, acessórios que permitem aos atletas diferentes resistências e acréscimo de carga nos movimentos específicos do jogo.


Os novos equipamentos foram aprovados pelos atletas, como Leandrinho Barbosa, também jogador do Phoenix Suns (NBA).





Na seleção feminina ainda em intensa preparação rumo à Copa América / Pré-Mundial de Cuiabá (23 a 27 de setembro) não foi diferente.


O preparador físico João Nunes também tem utilizado os dois equipamentos da KA Sports com as quinze atletas e trabalhando em ritmo forte para chegar 100% na competição, que classifica as três

melhores colocadas para o Campeonato Mundial da República Tcheca, em 2010.

Fonte:KA Sports 10/9/2009

domingo, 30 de agosto de 2009

Jogos Adaptados

Temos observado nos últimos anos uma crescente procura de crianças e adolescentes pelas “escolinhas” ou centros de iniciação esportiva, devido, entre outros motivos, a crescente urbanização, que tem entre outras conseqüências, a diminuição dos espaços livres voltados as práticas de atividades físicas próprias da infância, aliado também pela crescente valorização do esporte como promotor de saúde e transmissor de valores salutares .
Estes aspectos, infelizmente, algumas vezes não passam de falácias, visto que em alguns casos, a ânsia pela vitória fala mais alto, utilizando de programas de treinamento muitas vezes não compatíveis com características e necessidades bio-psico-sociais da faixa etária.
Na prática são identificados vários fatores:
  • como a busca de resultados a curto prazo
  • especialização precoce
  • carência de planejamento
  • fragmentação do ensino dos conteúdos.

No entanto, o ensino dos esportes coletivos deve ser concebido como um processo na busca da aprendizagem prazerosa, tornando-se necessário a procura por pedagogias que possam superar as metodologias já existentes, principalmente as tradicionais, com a mera repetição de gestos dos fundamentos das modalidades.
Assim, observarmos uma valorização considerável do esporte como promotor de saúde e desenvolvimento social, o que conseqüentemente gera discussões sobre as metodologias de ensino-aprendizagem dos esportes com inúmeros temas a serem debatidos.

Portanto, é de fundamental importância a inclusão na pedagogia da iniciação esportiva, a aprendizagem através dos jogos adaptados, modificando:
  1. a dimensão do campo de jogo
  2. o tempo de duração
  3. as distâncias
  4. os materiais
  5. as regras
  6. o alvo e o instrumento
  7. devendo ser adequados ao tipo de atividade
  8. a idade
  9. as etapas da aprendizagem
  10. e o nível de maturação dos praticantes .

Desenvolvimento da criança

O desenvolvimento do ser humano envolve três dimensões:

  • psicomotor
  • cognitivo
  • afetivo-social .
Os três estão indissociavelmente interligadas e sua divisão é meramente didática, e considera-las como tal é fundamental para um formação integral do aluno.


A criança e o adolescente devem ser considerados como seres únicos e particulares e não como adultos miniaturas e devem ser respeitados em suas várias fases de desenvolvimento, assim como em seus anseios, temores, expectativas e necessidades.

Dimensão Psicomotora
Este domínio envolve a organização do corpo e do movimento do indivíduo no tempo e no espaço. Neste aspecto Farinatti (1995 p. 35) cita que:
“O repertório de movimentos de uma criança reflete mudanças universais, sistemáticas e sucessivas, fruto do amadurecimento das estruturas do sistema nervoso central e de sua integração com o sistema motor”.
Este domínio está relacionado com os fundamentos técnicos, bem como com as capacidades físicas e coordenativas.
A capacidade motora é um dos eixos fundamentais para o rendimento esportivo, fazendo com que o iniciante possa estar apto a organizar da melhor forma possível uma composição complexa de qualquer movimento, a fim de permitir as partes do corpo trabalharem coordenadamente .

Os jogos recreativos na iniciação são importantes na medida em que propiciam o desenvolvimento das capacidades físicas e coordenativas, além da aprendizagem e do aperfeiçoamento dos fundamentos técnicos específicos da modalidade esportiva, contribuindo para a melhoria do domínio psicomotor

Dimensão Cognitiva
Esta dimensão envolve todos os processos cognitivos ou do pensamento (raciocínio).
Nesta dimensão é muito importante a capacidade de perceber e antecipar os estímulos, a fim de gerar uma tomada de decisão eficaz .
Nesta dimensão, que tem relação direta com o intelecto e raciocínio, Greco e Benda (1998) considera alguns componentes, como:
  • percepção
  • antecipação
  • tomada de decisão
  • memória motora
  • imaginação do movimento
  • e capacidade de reação como pilares para o aprendizado de soluções de problemas
  • e desenvolvimento da capacidade tática.

Portanto, o domínio cognitivo tem uma relação direta com as movimentações táticas ofensivas e defensivas, ou seja, com uma perspectiva do desenvolvimento da competência objetiva , que seria a capacidade do aluno se apropriar de conhecimentos e noções do jogo que lhe permita realizar este de forma própria e eficiente.

Dimensão Afetivo-Social
Este domínio diz respeito ao agir, interagir e reagir com outras pessoas, envolvendo sentimentos (Guerra, 1996). Como o homem é um ser social, que vive em comunidade, ele tem que se relacionar com outras pessoas, neste relacionar-se com o outro, surgem inúmeras situações de conflitos, que são importantes na medida em que se possibilitem aos alunos tenta-las resolver, desenvolvendo suas competências comunicativas e sociais .

Segundo Mutti (2003), a criança ao se envolver com a prática esportiva se envolve com um plano social mais amplo do que familiar, e isto é importante, pois a criança sente a necessidade de pertencer a um grupo, realizar trabalhos em equipe e conseguir êxitos sociais.
Neste sentido, os jogos recreativos colocam o iniciante frente a desafios sociais a serem vencidos, pois ele tem que resolver problemas que o jogo lhe apresenta de forma coletiva e individual, discutindo/estabelecendo regras e agindo de comum acordo com os colegas da equipe.

O papel do professor
O processo ensino-aprendizagem da iniciação esportiva está diretamente relacionado com o professor, pois é ele que orienta e estimula os alunos. Assim, o desenvolvimento do planejamento de trabalho depende muito de sua atuação, principalmente da sua conduta profissional e dos objetivos que ele pretende alcançar com o processo; de seus princípios pedagógicos; da filosofia de trabalho; do respeito pelos interesses; das individualidades; e, das características de cada aluno.
O professor deve aliar o conhecimento teórico com o prático, exercendo liderança para que o processo ensino-aprendizagem se desenvolva de forma eficiente.
Para isso, são necessários:
  • equilíbrio emocional;
  • organização;
  • capacidade de transmitir bem seus conhecimentos;
  • um relacionamento equilibrado com seus alunos.
Cinco são os aspectos que devem ser considerados na implementação do planejamento de trabalho:
Saber o que ensina:
conhecer e dominar com suficiência todos os aspectos inerentes aos assuntos fundamentais da modalidade esportiva, de forma a respeitar o tempo apropriado para a estimulação de cada qualidade física.
Saber como ensina: saber transmitir os seus conhecimentos e ser capaz de motivar e estimular os alunos, para que eles os apliquem com interesse e entusiasmo, tendo claros os objetivos aos quais quer alcançar;
Saber aplicar as técnicas e os métodos adequados no treinamento e na aprendizagem: saber o momento e, em qual atividade, determinado método de ensino é mais eficiente e se a atividade proposta está de acordo com o nível de maturação do aluno, levando em conta as fases sensíveis do desenvolvimento e as necessidades e interesses dos alunos.
Saber intervir na educação dos alunos: desenvolver as qualidades de modo a participar na formação do caráter e da personalidade do aluno.


Em especial, demonstrando uma posição ética e de compromisso com a transformação social.


Estar aberto as experiências e espectativas dos alunos: valorizar e oportunizar a participação ativa dos alunos durante o desenvolvimento das atividades, o professor deve abandonar a postura de detentor do conhecimento, e abrir possibilidades para novas interpretações e soluções de problemas não previstos .
A atitude do professor condiciona a aprendizagem de todos os fatores inerentes à prática dos esportes.

Não se deve valorizar excessivamente o sucesso e ou fracasso, além de ser tolerante e paciente diante das dificuldades e dos erros, pois cada pessoa aprende de forma individualizada e num ritmo próprio.

Por isso, deve informar corretamente qual o erro cometido pelo aluno e passar informações e tarefas claras e objetivas que facilitem a sua correção.

Para Mutti (2003) os alunos aprendem muito mais rapidamente quando têm a exata noção do objetivo que se pretende atingir, e neste ponto o professor precisa ser bastante claro em suas explicações e estar sempre disposto a oferecer o máximo de suas possibilidades. A auto-estima é importante, pois, além de favorecer a aprendizagem, fazendo com que o iniciante tenha a capacidade de desempenhar com coragem, confiança e segurança uma determinada tarefa, contribui para que ele si sinta bem socialmente.

No que se refere à forma de relacionamento com os outros, é importante salientar a necessidade de interação com o grupo e/ou companheiro dentro do processo ensino-aprendizagem.
É importante frisar que a iniciação esportiva cumprirá adequadamente a sua função quando se fundamentar em princípios pedagógicos e estiver em consonância com o crescimento e desenvolvimento infantil, respeitando as características, anseios e necessidades do iniciante, bem como os níveis ótimos de cada faixa etária, facilitando a aprendizagem e o desenvolvimento esportivo e pessoal (Paes, 1989; Freire, 1998).

Jogos Adaptados

Um dos maiores desafios no trabalho de iniciação esportiva é manter a motivação dos alunos no desenvolvimento de todos os componentes que envolvem a prática das modalidades esportivas, tanto no que se refere aos fundamentos técnicos, quanto das movimentações ofensivas e defensivas.


É comum o aluno desejar apenas praticar o jogo formal, o que interfere na evasão das escolinhas.

O professor, independentemente do objetivo, quando planejar o trabalho, deve incluir todos os componentes inerentes à modalidade esportiva que estiver sendo desenvolvida, em consonância com um perfil lúdico .


Neste sentido, torna-se necessário selecionar os métodos de ensino que melhor se enquadrem para uma determinada atividade, buscando novos procedimentos pedagógicos, com vistas a facilitar o aprendizado.

Do ponto de vista metodológico, devem-se ser levados em conta alguns aspectos como: número de alunos no ataque ou na defesa e quanto aos materiais utilizados (que deve ser o mais variado possível), a fim de criar variações na estrutura das regras, como dimensão do gol, do campo, da quadra ou zonas delimitadas .

Na sua estrutura, é importante que eles tenham uma seqüência objetiva, construída a partir de aspectos metodológicos, partindo do mais simples para o mais complexo e do fácil para o difícil, e cada vez mais com velocidade.


Isto dependerá do nível de habilidade técnica do grupo, da experiência motora, da capacidade cognitiva e dos objetivos a serem alcançados.

A aprendizagem e o aperfeiçoamento dos fundamentos técnicos dos esportes coletivos são importantes e fundamentais para o processo de ensino, entretanto, se o professor não aplicar um método que motive seus alunos para o desenvolvimento destes fundamentos, sua aula pode se tornar desinteressante, levando o aluno à não participar das atividades.

Um dos métodos mais eficientes na motivação dos alunos são os jogos adaptados que, quando trabalhados de forma simultânea com os conteúdos ministrados, contribuem para a melhoria da aprendizagem .

O ensino dos fundamentos técnicos e das movimentações tático-ofensivas e defensivas torna-se mais atraentes, bem como a aprendizagem mais dinâmica.

Os alunos resolvem problemas, encontrando diversas soluções e desenvolvendo seu raciocínio através de estímulos e desafios.
Contudo, o jogo deve desenvolver-se num programa integral de educação do indivíduo, devendo ser praticado de uma forma construtiva e não como uma série de atividades sem sentido, tendo como objetivos o desenvolvimento de capacidades físicas, coordenativas e intelectuais.

Bem como, deve dar condições de que o aluno possa se apropriar destes em seus momentos de lazer, dando vazão as suas necessidades de movimento e expressão.
Assim, surge a proposta para o ensino do futebol, tomando como referência a idéia do jogo, no qual as situações de exercícios da técnica aparecem claramente nas situações táticas, simplificando o jogo formal para jogos reduzidos e relacionando situações de jogo com o propriamente dito.
Na aprendizagem dos fundamentos técnicos dos esportes, a vantagem dos jogos é que os alunos parecem aprender mais quando podem se movimentar, ao invés de ficarem executando um determinado fundamento de forma estática e/ou monótona.
Os elementos da técnica e tática podem ser trabalhados especialmente na formação básica dos alunos que estão se iniciando nos esportes, introduzindo atividades para o aperfeiçoamento dos movimentos, a fim de que, mesmo diante da velocidade e da ansiedade do jogo, possam praticar corretamente os fundamentos específicos da modalidade.
Os jogos permitem a repetição de determinados momentos de uma partida, para que cada aluno tenha maior contato com a bola e se envolva mais vezes na resolução de um desafio técnico ou tático.

Conseqüentemente, aumenta a intensidade da aula, tornando-a mais interessante.

Através da variação do número de alunos, um exercício de passe pode ser simplificado. Ao mesmo tempo, a desproporção numérica intensifica o trabalho de defesa.
Daí a importância dos jogos como método eficiente para o processo ensino-aprendizagem dos esportes, pois o entusiasmo de aprendizagem e a prontidão de entrada e de rendimento geralmente são grandes .

Alm disto, a participação em grupo representa uma conquista cognitiva, emocional, moral e social para os alunos e uma preparação para a vida coletiva, em especial, quando esta participação esta de acordo com princípios de cooperação e discussão/transformação dos conflitos que emergem do convívio em grupo.

Neste sentido, cabe ao professor analisar a potencialidade educativa dos diferentes jogos e o objetivo que se deseja desenvolver.
Considerações finais
A iniciação básica dos esportes é uma das etapas mais importantes que pode ocorrer em escolinhas e clubes.
É nesta etapa que o praticante vai adquirir os conhecimentos e as capacidades físicas, técnicas e táticas necessárias para a prática das modalidades esportivas.
Os jogos adaptados têm um papel fundamental neste contexto, na medida em que proporciona uma formação mais multilateral e contribui para a assimilação dos fundamentos técnicos e das movimentações táticas básicas ofensivas e defensivas do futebol.

Atribui-se ainda aos jogos recreativos a possibilidade de respeito a individualidade e aos interesses dos praticantes, tornando o aprendizado fundamentalmente mais lúdico, dando a oportunidade dos alunos participarem mais ativamente do processo de ensino-aprendizagem.
Entretanto, na prática, são identificados vários fatores, como:

  • a busca de resultados em curto prazo;
  • especialização precoce;
  • carência de planejamento;
  • fragmentação do ensino dos conteúdos.
Desta forma, o ensino dos esportes coletivos deve ser concebido como um processo e sua prática devem possibilitar intervenções quanto à cooperação, convivência, participação e inclusão compatíveis com características e necessidades bio-psico-sociais de cada faixa etária.

Nota
Ao menos uma parcela da população que podem pagar pela prática esportivas, ou ainda aquelas crianças e adolescentes que são amparados pelos projetos governamentais e pelas ONG’S.

Exemplo de jogos adaptados
1- Destinatários: Grupos de jovens ou de adultos.
2- Material: 15 Balões por equipe.
3- Desenvolvimento:- O animador divide o grupo em equipes. Cada uma delas escolhe umrepresentante para o concurso de "Mister Balão".
A um sinal do animador,cada equipe procura "rechear" seu candidato até que fique repleto de balões.Dispõem de três minutos para executá-lo. Ganha a equipe que conseguir"rechear"seu representante com o maior número de balões.
O exercício é epetido por diversas vezes.
Referências bibliográficas
Farinatti, P. T. V. Criança e atividade física. Rio de Janeiro: Sprint, 1995.
Filin, V. P. Desporto juvenil: teoria e metodologia. Londrina: CID, 1996.
Freire, J. B. Pedagogia do Futebol. Rio de Janeiro: Ney Pereira, 1998.
Friedmann, A. Brincar: crescer e aprender: O resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1998.
Garganta, J.; Marques, A.; Maia, J. Acerca da Investigação dos Fatores do Rendimento em Futebol. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, 10 (2): 146-158, jul./dez. 1996.
Garganta, J. Competências no ensino e treino de jovens futebolistas. Lecturas Educación Física y Deportes, Revista Digital, Año 8, n° 45, 2002.
http://www.efdeportes.com/efd45/ensino.htm
Greco, P.J.; Benda, R.N. Iniciação Esportiva Universal: Da aprendizagem motora ao treinamento técnico. Belo Horizonte: Escola de Educação Física da UFMG, 1998.
Gréhaigne, J.F.; Guillon, R. L´utilisation des jeux d´opposition a l´école. Revue de l´Education Physique, 32 (2): 51-67, 1992.
GTP – Grupo de trabalhos pedagógicos UFPe – UFSM. Visão didática da educação física: analises críticas e exemplos de aulas. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1991.
Guedes, D. P.; Guedes, J. E.R. P. Crescimento, composição corporal e desempenho motor de crianças e adolescentes. São Paulo: CLR Baliero, 1997.
Guerra, M. Recreação e lazer. Porto Alegre: Sagra–DC Luzzzatto, 1996.
Kunz, E. Educação física ensino & mudanças. Ijuí: Unijuí, 1991.
_____. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Unijuí, 1994.
Mutti, D. Futsal: iniciação ao alto nível. São Paulo: Phorte, 2003.
Paes, R.R. Aprendizagem e competição precoce: “O caso do Basquetebol”, 1989. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Metodista de Piracicaba, SP.
Paoli, P.B. Jogos Recreativos Aplicados ao Futebol – Vídeo-curso. BD Empreendimentos – Canal Quatro – Universidade Federal de Viçosa, 2001.
Weineck, J. Biologia do esporte. São Paulo: Manole, 1991.
_____. Treinamento ideal. São Paulo: Manole, 1999.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Técnicos terão de fazer curso e obter uma licença da CBF para exercer a profissão Pelo menos é o que a CBF pretende fazer no futuro, ainda que não t

Responda rápido oque estes técnicos têm em comum?

Se você respondeu formação acadêmica acertou.Mas a grande maioria não é assim. O assunto é Polêmico, pois nem sempre técnicos vencedores tem uma formação formal alguns repetem oque aprenderam enquanto jogadores ou torcedores.


Técnicos terão de fazer curso e obter uma licença da CBF para exercer a profissão

Pelo menos é o que a CBF pretende fazer no futuro, ainda que não tenha definido datas para que a medida se torne uma exigência. Seguindo orientação da Fifa, a entidade que comanda o futebol verde-amarelo iniciou o trabalho para regulamentação dos treinadores, conforme noticiou o jornal a Folha de S. Paulo nesta terça-feira.

A intenção da CBF é que o diploma e a licença sejam obrigatórios em breve.



O pontapé inicial já foi dado. No fim de 2008, a CBF acertou parceria com a PUC de Minas para montar um curso de treinadores de futebol.


A estrutura ainda está em fase experimental, com três módulos: para técnicos de crianças, de adolescentes e de jogadores profissionais.


Cada um tem 320 horas de aulas.

O primeiro módulo para crianças já começou em julho deste ano, o segundo está previsto para janeiro de 2010 e o destinado a profissionais deve ter início na metade do ano que vem.

Em um primeiro momento, os que quiserem participar do curso terão de atender a algum destes pré-requisitos:

  • ter diploma em algum curso de nível superior, preferencialmente em Educação Física;
  • ser um ex-jogador com experiência na função de técnico;
  • ter exercido a profissão durante um bom tempo
  • ou ser federado em seu Estado.


Depois, os novos pré-requisitos serão reavaliados e podem sofrer modificações.


Os técnicos terão aulas como legislação esportiva, primeiros socorros em medicina esportiva, psicologia, gestão esportiva, entre outros temas.


Agora é torcer para que o salário milionário destes profissionais também cheguem aos demais colegas da área, pois a grande maioria já fez tudo que eles ainda vão fazer.

Fonte:Globo Esporte.com.br 19/8/2009

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Redução de Aulas de EF escolar

Redução das aulas EF escolar é culpa do governo e do MEC
A imagem “http://www.celsolisboa.com.br/noar/UserFiles/116/Image/fotos/educacao_fisica.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
A secretária estadual da Educação comunicou à sociedade, através da imprensa, que "mudou de ideia" novamente sobre a matriz curricular para a rede estadual de ensino.
A Secretaria já publicou no Diário Oficial do Estado várias versões da matriz, a última delas reduzindo a carga horária de História e Geografia, devido à obrigatoriedade da inclusão de Filosofia e Sociologia no ensino médio por determinação de lei federal.
A imagem “http://1.bp.blogspot.com/_wSqcGqZa-vY/SbQLYwaXphI/AAAAAAAAAI4/t6oVBGt7ZEs/s400/pantanal+MS.jpg” contém erros e não pode ser exibida. Agora, diz à imprensa, no lugar de História, a disciplina a ser sacrificada será Educação Física. Estes fatos demonstram a forma errática e inconsequente como a educação vem sendo gerida no estado de São Paulo, com decisões tomadas em gabinetes, longe da realidade das escolas e sem consulta aos que fazem o cotidiano do ensino.
O tipo de "jogo" que a secretária faz com o currículo escolar reflete sua concepção fragmentária e minimalista da educação pública.
A imagem “http://amadeo.blog.com/repository/324140/810558.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
A secretária da Educação tem procurado responsabilizar o governo federal pelas suas dificuldades em equacionar a questão curricular.
Quando a obrigatoriedade da oferta de Filosofia e Sociologia no ensino médio estava prevista em resolução do Conselho Nacional de Educação, homologada pelo MEC, e não, ainda, em lei federal, ela anunciou que não a aplicaria.
A imagem “http://2.bp.blogspot.com/_z8SNx4BR3EU/SJmlxcHF-TI/AAAAAAAAALs/IHBeitRou-Y/s320/pan-volei-de-praia-4.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
Levanto uma questão: O governo utiliza a questão para alimentar uma disputa política com vistas às eleições de 2010, como tem feito com outros temas, como as novas diretrizes para a carreira do magistério em discussão no CNE e, sobretudo, a jornada prevista na lei do Piso Salarial Profissional Nacional sancionada em 16 de julho pelo presidente Lula.
Entretanto, há solução para o problema e ela não passa pela redução burocrática de nenhuma disciplina e, sim, pelo redimensionamento dos tempos escolares, dando um maior dinamismo do próprio currículo, tornando-o mais ágil, mais atrativo para os alunos e com maiores possibilidades de trabalhar algo fundamental para uma educação de qualidade nos dias atuais: a interdisciplinaridade.
A imagem “http://www.humanusrh.com.br/noticias/img_noticias/futebol-0001-800%5B1%5D.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
Não seria muito mais atraente, dinâmico e agradável para os alunos se as aulas, com menor tempo de duração, propiciassem a interação entre as disciplinas? Isto não permitiria aos alunos perceber a lógica da produção e transmissão do conhecimento, que não deve ser confinado em disciplinas estanques, que não se comunicam e não se inter-relacionam?
Estas e outras propostas poderão ser discutidas na rede de ensino se houver vontade política da secretária da Educação.
A imagem “http://1.bp.blogspot.com/_7StoGITmgPY/SPOfPJPLwEI/AAAAAAAAAHc/ZpKYXF1ttpc/s320/Jofen%2520handebol.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
Será que o indivíduo não necessita do seu corpo também?
A mensagem que está sendo passada através da redução da carga horária de educação física é muito perigosa, pode até não ter tamanha pretensão, mas é necessário atenção.
fonte: Gazeta de Piracicaba/ Revista Crefsp

sábado, 30 de maio de 2009

E esse tal de Pilates?

Será que o Pilates é mais uma moda que vai passar?
Responder a esta pergunta com profundidade demanda compreender a história do Método Pilates e o que o Pilates representa para o mundo neste momento.
O Método Pilates existe há cerca de 80 anos, mas se tornou amplamente conhecido nos Estados Unidos há cerca de 25 anos, quando adquiriu forte respaldo do meio médico e científico pelos seus resultados.
Será que o Pilates é mais uma moda que vai passar?
A divulgação do Pilates foi feita ao longo dos anos essencialmente através do boca a boca de quem teve sucesso praticando, e como reconhecimento dos resultados do trabalho pela imprensa, interessada em um método que conquista um número exponencialmente crescente de adeptos em todo o mundo - o treinamento em Pilates nos EUA cresceu 602% entre 2000 e 2006. Assim, a demanda gerada pelo Pilates não foi criada via marketing, não se trata de um boom impulsionado pela mídia.
Não houve nenhuma grande empresa ou grandes investimentos de publicidade para tornar o Pilates conhecido como o é hoje. O caminho é justamente o contrário: à medida que o conhecimento sobre Pilates cresceu entre profissionais e amadores, atraiu a atenção da mídia.

Vivemos um momento de grande aumento na expectativa de vida das pessoas combinado com a busca por permanecer com qualidade de vida e saúde ao longo dos anos. Os analistas internacionais da área de saúde chamam este momento de “Active Aging”, em que a atividade física é um elemento fundamental para a conquista da saúde, e que métodos alternativos à musculação e aeróbica provêem para o bem estar que se busca.
Quando analisamos este panorama em relação ao histórico de Pilates percebemos uma “coincidência histórica” inquestionável. Há uma sincronia muito grande entre o crescimento do “Active Aging” e a explosão do Pilates de forma globalizada.
Será simples coincidência? Será o Pilates simplesmente moda?
A resposta nos parece muito clara, não há como falar em moda quando nos referimos ao Pilates, e sim de uma metodologia revolucionária que provê o que a humanidade busca em dado grau, e que seguirá crescendo por muitos e muitos anos.
Esta conclusão nos conduz a uma outra pergunta:
Como planejar os investimentos no Pilates a longo prazo se queremos eleger o Pilates como carreira ou negócio? Esta pergunta é valida tanto para o profissional da área de movimento ou de saúde, que vislumbra no Pilates o caminho para o seu futuro, como para o empresário, seja de pequeno, médio ou grande porte que quer investir em um negócio da área do Fitness e/ou do Bem-estar.
A grande problemática em torno desta questão se faz presente para quem enxerga o método como uma oportunidade para obtenção de resultados imediatos, o que tem ocorrido com freqüência nos últimos anos – e traz um fator de grande risco que poderá levar o Pilates ao descrédito.Um planejamento que visa essencialmente o resultado em curto prazo, leva à busca de cursos de formação de curta duração com pouco embasamento e escolha dos equipamentos baseando-se em preço em detrimento de qualidade e durabilidade.
Apostando na valorização constante do bem-estar e da busca pelo envelhecimento com saúde e dinamismo, a análise dos investimentos no Pilates que dará bons frutos precisa considerar uma linha de tempo de 10-15 ou 20 anos. Neste sentido, a longevidade da atividade com qualidade e reconhecimento do público estará baseada em investimentos em uma formação sólida, continuada e internacionalmente reconhecida, e em equipamentos que durarão por toda a vida, e um ótimo preço de revenda no mercado de usados no caso de substituição.
Acreditamos que profissionais e empresários inteligentes e competentes que desejam um retorno sólido e durável de verba e tempo investidos saberão a importância do planejamento que pense além do curto prazo e terão um retorno contínuo e crescente com o Pilates.
escrito por admin
Método Pilates - Benefícios para a terceira idade
De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde) em seu documento “Envelhecimento ativo: Uma política de saúde”, uma atividade física regular e moderada reduz o risco de morte por problemas cardíacos em 20 a 25% em pessoas com doença do coração diagnosticada, além de reduzir substancialmente a gravidade de deficiências associadas à cardiopatia e outras doenças crônicas.
Assim, o Método Pilates estaria enquadrado neste contexto para prevenção primária, secundária e terciária da saúde.
O Método Pilates foi idealizado por Joseph Pilates e é um programa completo de condicionamento físico e mental que tem como objetivo melhorar o equilíbrio entre a performance e esforço, através da integração do movimento, a partir do centro estável e sinestesia realçada. Trabalha o corpo como um todo – corrige a postura e realinha a musculatura, desenvolvendo a estabilidade corporal necessária para uma vida mais saudável e longeva (Steers, 2006).
Joseph Pilates juntou os melhores aspectos das disciplinas dos exercícios orientais e ocidentais, e é o equilíbrio desses dois mundos. Do Oriente, Pilates trouxe as filosofias de contemplação, relaxamento e a ligação entre corpo e mente. Do Ocidente, trouxe a ênfase no enrijecimento muscular e a força, a resistência e a intensidade de movimento. Seu método utiliza o corpo inteiro, e não apenas uma parte dele. Usando o corpo inteiro, equilibra-se o uso de grandes músculos superficiais com profundos e pequenos músculos de resistência, responsáveis por manter a força interior(Craig, 2003).
Seus princípios são: relaxamento, concentração, alinhamento, respiração, coordenação e resistência.
Os benefícios deste método são: aumento de força, maior controle muscular, integração corpo e mente, melhora da capacidade respiratória, aumento da flexibilidade, fortalecimento, correção da postura, reestruturação do corpo, prevenção de lesões, aumento da consciência corporal, aumento da auto-estima e alivio de dores musculares (Camarão, 2004).
Pilates considerou a área abdominal em conjunto com os músculos profundos da coluna, bem como os centros de força do corpo, “casa de força” (Powerhouse) que é a área entre as costelas superiores e a pélvis.
Um dos princípios fundamentais do método Pilates é que a “casa de força” é o centro de todo movimento: quanto mais forte a casa de força, mais poderoso e eficiente é o movimento. Portanto, antes de cada exercício de Pilates, um centro é recrutado, empurrando delicadamente o umbigo e contraindo os músculos profundos do abdômen.
O objetivo é manter o centro corporal estável enquanto os movimentos de braços e pernas são executados com precisão.
Os três músculos abdominais (o reto abdominal, os oblíquos externos e internos e o transverso abdominal) trabalham com os músculos da coluna (os mais importantes são os multífidos e o quadrado lombar) para formar o centro de força.
Os praticantes do método Pilates também incluem o assoalho pélvico na “casa de força” pela forma que este arranjo de músculos e ligamentos conecta-se ao sistema nervoso central dos músculos profundos abdominais. Localizados na partem de baixo da pélvis, o assoalho pélvico consiste de músculos utilizados para controlar o fluxo da urina e impurezas sólidas do corpo. Fortalecer estes músculos nas pessoas idosas é importante, pois neste período a incontinência urinária e fecal é muito freqüente (Craig, 2004).
Influência na Postura
A postura incorreta faz mais do que diminuir a auto confiança e a dignidade: obstrui a respiração, tensiona os músculos e ligamentos e pode afetar adversamente as articulações da coluna, propensas a artrite, artrose e dor generalizada. As alterações de postura do idoso são: cifose constituída pela cifose dorsal e cervical – a cabeça é projetada para frente e os ombros ficam cronicamente curvados, repuxando apenas os músculos do pescoço; diminuição da curvatura lombar; aumento do ângulo de flexão do joelho e o deslocamento da articulação coxofemoral para trás e a inclinação do tronco para frente.
A rigidez articular e muscular que se instala nos idosos será trabalhada através dos exercícios do método Pilates, assim como a tensão em trapézios e paravertebrais que em conjunto com a “casa de força” levará a uma postura mais alongada.
Vários músculos do sistema respiratório estão inseridos nas vértebras lombares e cervicais e nas costelas influenciando a postura. O diafragma é um músculo respiratório que separa o tórax do abdomen.
Quando a “casa de força” nos exercícios do método Pilates é acionada através da respiração, o diafragma é trabalhado levando inclusive a um relaxamento e gerando uma postura correta.
Influência na flexibilidade .
Nos exercícios de Pilates os alongamentos são estimulados sempre, levando a uma maior flexibilidade do corpo. Com o envelhecimento, torna-se maior o número de ligações de colágeno intra e intermolecular, o que dificulta o “deslizamento” das proteínas. O tecido fica mais rígido, menos elástico e mais propenso a lesões. Com um estilo de vida pouco ativo, o envelhecimento, a imobilização e as doenças neuromusculares diminuem o tamanho e a quantidade de tecido colágeno. Conseqüentemente, o tecido muscular se enfraquece e a elastina aumenta proporcionalmente. Dessa forma, o tecido combina a elasticidade com a fraqueza.
Uma vida ativa é primordial para manter a homeostase entre a síntese de colágeno e sua degradação.
A síntese do colágeno depende da habilidade da célula em transmitir a força mecânica em uma ação bioquímica.
Sabe-se que exercícios de alongamento estimulam a renovação de colágeno para suportar maior estresse. Além disso, melhoram a homeostase entre as glicosaminas e a água, conservam o espaçamento interfibrilas e diminuem as condições favoráveis a formação de adesões (Achour Jr, 2006).
Nos diabetes do idoso as regiões mais limitadas de flexibilidade são as falanges e os ombros.
Achour (2006) relata que Jósza& Kannus (1997) revisaram várias pesquisas, evidenciando que os diabetes também afeta o tendão.
Assim, observamos que os exercícios de Pilates ajudam ao idoso com diabetes trabalhando com alongamentos e exercícios de força para melhorar a flexibilidade e a força em ombros e tendões.
Articulações mal alinhadas e frouxas facilitam a instalação de lesões e osteoartroses nos idosos. Há revisões de literatura (Achour Jr, 2006) em que se observou que lesões nos ligamentos colaterais e lesões do menisco associavam-se ao desenvolvimento da osteoartrose em idades prematuras.
Instalada a osteoartrose no joelho e quadril, ela aumenta o custo energético para determinado esforço, dificultando a subida e descida de escadas. Em algumas situações, pode impedir a movimentação até em atividades simples como jardinagem e passeios em parques.
O idoso consegue eliminar a rigidez da osteoartrose e grande parte da dor mediante a pratica contínua de exercícios de Pilates, ativando assim a circulação e diminuindo os espasmos musculares.
É importante para o idoso manter índices de flexibilidade, porque com isso consegue-se interromper a redução natural da flexibilidade. Assim os efeitos dos exercícios de alongamento são positivos independentes do aumento da flexibilidade (Achour Jr, 2006).
Influência na Osteoporose
Na osteoporose há muita fragilidade do esqueleto e maior suscetibilidade à fratura após pequenos traumas, além de dores nas costas devido a contraturas musculares ou por microfraturas e deformidade da coluna com diminuição da altura da pessoa.
Geralmente o fêmur e a coluna são as mais acometidas.
Nos exercícios de Pilates trabalha-se com exercícios de fortalecimento dos músculos envolvidos com estas estruturas e de extensão da coluna visando melhora da força muscular, condicionamento físico e coordenação (Frontera, 2001).
“Se aos 30 anos você está sem flexibilidade e fora de forma, você é um velho. Se aos 60 anos você é flexível e forte, você é um jovem” (Joseph Pilates)
A postura adotada ao sentar, tem grande influência no estado apresentado pela pessoa no final do dia. Aquela postura apresentada por grande parte das pessoas, com ombros caídos, pescoço tensionado e coluna arqueada além de não favorecer o visual, faz mal à saúde.





A forma de sentar e levantar pode ocasionar fadiga e conseqüentemente maior cansaço ao final do dia, desânimo e às vezes até alteração no rendimento.
Postura é a posição do corpo. Boa postura compreende-se o arranjo harmônico das partes constituintes do corpo, quando este se encontra parado ou em movimento.
Adotar uma boa postura exige cuidados importantes que devem ser adquiridos desde a infância.


A posição comumente adotada por grande parte das pessoas em atividades domésticas, profissionais e de lazer é a posição sentada, essas são mais propensas a sofrer com dores nas costas do que aquelas que se movimentam mais. Portanto, é interessante ficar atento à postura, bem como a cadeira utilizada, que deverá ter o assento firme para não forçar as articulações vertebrais.
A postura correta ao andar é ereta, sem jogar o corpo para os lados ou os ombros para frente. Ao carregar pesos, evite o sobrepeso, distribuindo igualmente o peso para os dois lados.
O método Pilates ajuda a melhorar a postura para evitar o surgimento de desvios de coluna e dores musculares, além de favorecer o realinhamento postural.

O Método Pilates e a Prevenção de Fraturas Osteoporóticas

Sendo o Método Pilates uma proposta de atividade física com finalidades terapêuticas, utiliza-se para a prevenção e/ou tratamento de diversas patologias osteo-mio-articulares (Pires & Sá, 2005) como a osteoartrite (Yakut et alli, 2005) e até mesmo em gestantes (Balogh, 2005).


No caso específico da prevenção de fraturas osteoporóticas, o pilates pode ser indicado por promover o aumento da força muscular, o ganho de flexibilidade, a melhora da coordenação motora, do equilíbrio, da postura, propriocepção e da respiração.
O ganho de força muscular é conquistado através de exercícios resistidos por cargas externas, que podem ser a gravidade, o peso do próprio corpo, as molas dos aparelhos ou as bolas Bobath, solicitados de acordo com a realidade de cada cliente.


O aumento da força auxilia na remodelação óssea, através do estímulo mecânico que a contração muscular imprime aos ossos, promovendo a proteção destes. O fortalecimento, assim como em qualquer modalidade esportiva, é conquistado gradativamente.
O alongamento gradativo dos músculos conquistado com o método promove a diminuição de encurtamentos e tensões musculares localizadas, os quais podem ser responsáveis por alterações posturais significativa e deixar estruturas ósseas mais suscetíveis à forca mecânica. Além disso, o alongamento bem orientado auxilia no reequilíbrio muscular entre os grupos agonistas e antagonistas (Aparício & Perez, 2005).
O estímulo à coordenação motora é constante durante a realização dos exercícios do Método Pilates. Ela é conquistada através da precisão dos movimentos e dos recursos utilizados durante o exercício. O manuseio das molas e bolas, realização de exercícios unilaterais, bilaterais e alternados, exige que o praticante demonstre domínio e, dessa forma, obtem-se trabalhos coordenados (Lange et al, 2000).O manuseio destes equipamentos também impõe ao praticante a necessidade de equilíbrio corporal para a manutenção das posturas em que os exercícios devem ser realizados. Logo, o equilíbrio se torna um dos grandes objetivos do método e um de seus diferenciais (Pires & Sá, 2005).O alongamento axial promovido pelo pilates é importante na prevenção das microfraturas das vértebras, principalmente das torácicas que são as mais acometidas, por diminuir a compressão exercida entre uma vértebra e sua adjacente.
Pela ênfase dada ao trabalho respiratório durante a realização de cada um dos exercícios, o pilates promove a reeducação da respiração e, dessa forma, reduz a tensão e o gasto de energia dos músculos envolvidos no processo respiratório.
Somando-se todos os objetivos almejados pelo pilates, obtem-se o que se caracteriza como uma das filosofias do método, que é a melhora da consciência corporal, isto é, o autoconhecimento, fundamental para a realização de cada um dos movimentos do corpo. Pilates valoriza muito a interação do corpo e da mente para que haja perfeita harmonia e menor gasto de energia durante a realização das atividades da vida diária (Aparício & Perez, 2005).
Sabe-se que toda e qualquer atividade física deve ser adaptada para atender as necessidades do indivíduo com osteoporose e possibilidade de fratura (Forwood, 2000). Com o pilates, deve ser da mesma forma.. Cabe ao instrutor de pilates ter conhecimento a respeito da osteoporose, para que seja possível adaptar os exercícios a necessidade de cada um (Betz, 2005).
A adaptação dos exercícios é feita com base na avaliação física do indivíduo e em seu potencial risco de fratura. Assim é possível determinar a intensidade, freqüência e tipo de exercícios a serem realizados (Betz, 2005).
Portanto, tendo como precauções basicamente as mesmas de outras modalidades esportivas, o pilates pode ser realizado por indivíduos osteoporóticos, como forma de auxílio a prevenção de quedas e melhora da saúde geral.

Como praticar Pilates sem os famosos e caros aparelhos
Talvez você mesma já tenha passado por isso. Poucas pessoas podem se dar ao luxo de ter acesso aos centros de Pilates, por se tratar de uma técnica personalizada, que requer um equipamento especial. É por isso que nos últimos anos surgiram variações do método que, segundo especialistas, apresentam os mesmos resultados. Se você ainda não tentou, agora pode conhecê-los.
Variação sem aparelhos
O Pilates é uma atividade que, por oferecer possibilidades diferentes para cada exercício, permite que pessoas de todo tipo possam praticá-los. É altamente recomendado, inclusive para a terceira idade, já que produz benefícios nas articulações (em caso de artrose). Além disso, previne a osteoporose, protegendo a estrutura óssea. Também não causa lesões, porque os exercícios são realizados sem impacto. São muitos os acessórios utilizados hoje em dia para substituir os aparelhos de Pilates.


Colchonetes, faixas elásticas, bastões, caneleiras, pesos de um quilo, bolas pequenas e grandes de borracha, steps e cordas são os mais utilizados nas academias do mundo.“Os exercícios são os mesmos, com a mesma eficácia, desde que realizados corretamente” assegura a instrutora Solange Rittor, uma defensora dessa técnica que, ao contrário das outras disciplinas, combina força e flexibilidade, modificando a estrutura do músculo sem aumentar seu volume… o objetivo de todas as mulheres, ou não?
Como praticar corretamente
O segredo para que o Pilates cumpra sua verdadeira missão é realizar o máximo de esforço sob uma supervisão correta. Nesse caso, os exercícios sobre colchonetes não se diferem muito daqueles praticados nos aparelhos originais; eles possibilitam a integração do grupo, pois quando são realizados na forma passiva, é possível compensar qualquer falta de capacidade própria (por exemplo, de força ou flexibilidade) com a ajuda de um colega.
Mas os instrutores dão ênfase especial ao fato de que os movimentos e as contrações musculares devem ser feitos com consciência, para que as posturas sejam executadas corretamente.
Também ensinam a levar essa percepção do corpo para a vida cotidiana, alinhando a coluna, contraindo glúteos e ajustando as pernas durante as atividades diárias.
É possível, experimente.
A febre do Pilates
O Pilates, método que integra o corpo e a mente, conquista brasileiros e famosos
Tente visualizar o seu corpo como se fosse uma orquestra sinfônica. Cada músculo corresponde a um instrumento com som e melodia próprios.
Tudo na mais perfeita ordem. Sem que nota alguma soe desafinada, sem que um arranjo grave se sobreponha a um agudo. Assim, a música ecoa de forma agradável e prazerosa.
A analogia serve para explicar um pouco como funciona o método que é a febre mundial do momento. Trata-se do pilates, uma técnica que procura trabalhar músculo, tendão, vértebra e osso de forma harmônica para fazer o corpo funcionar como uma música melódica.
A modalidade desenvolvida pelo alemão Joseph Pilates aportou primeiro nos Estados Unidos, para onde havia se mudado na década de 20, quando abriu seu estúdio em Nova York, atraindo basicamente bailarinos. Hoje, nada menos do que seis milhões de pessoas estão lotando academias de pilates naquele país, segundo dados da Pilates Method Alliance (PMA), organização internacional dos profissionais da área.
E entre seus fãs figuram estrelas do quilate de Madonna, Julia Roberts e Brad Pitt.
É um exército que movimenta uma indústria de US$ 18 bilhão anuais.
Revista IstoéSeção: Boa forma
Pilates é fisioterapia ou condicionamento físico?
Você estava com dor e seu médico indicou Pilates?
Percebeu mudança na postura de alguém por estar fazendo Pilates?
Quer malhar e modelar seu corpo, sem carregar peso repetitivamente?
Possui algum desvio na coluna e sente incomodo ao fazer esforço físico?
Tem interesse em saber com quem ou onde fazer Pilates?
Pilates e Osteoporose
Estima-se que cerca de 15 milhões de brasileiros estarão propensos, este ano, a desenvolver a osteoporose, cujos sintomas mais comuns são as dores nas articulações e nos ossos, que só acontecem depois das fraturas.
Como o Método Pilates pode auxiliar na prevenção e tratamento desta doença?
Osteoporose significa osso poroso.
Um osso que era forte e tornou-se frágil após alterações do metabolismo mineral e aos desequilíbrios nutricionais. Pelo fato de ser assintomática a osteoporose é chamada de Doença Silenciosa. Os principais sintomas são as fraturas, que acontecem em estágios avançados da doença. Os principais locais atingidos são: punho, vértebras, costelas e colo do fêmur.
A deficiência de cálcio e de vitamina D, juntamente com a deficiência estrogênica, são fatores causais muito importantes. O tabagismo, sedentarismo e dietas com alta ingesta de refrigerantes, cafeína, álcool, sódio e açúcar também estão na lista de itens que aumentam o risco de osteoporose.
Medidas preventivas podem ser tomadas desde a infância e adolescência. Esta é a melhor forma de proteção contra o aparecimento da osteoporose. Estratégias incluem equilíbrio nutricional, atividade física moderada e medicamentos apropriados, quando necessário.
Um estudo no qual mulheres idosas foram observadas durante alguns anos, mostrou que as que se exercitaram durante o período tiveram um aumento da massa óssea de 2,3%. Enquanto que as mulheres que permaneceram sedentárias durante esse tempo mostraram uma diminuição de 3,3%.
“A força muscular sobre os ossos constitui o estímulo fundamental para a manutenção e o aumento da massa óssea”Pilates X Osteoporose
Os exercícios físicos para o tratamento da osteoporose devem promover fortalecimento, equilíbrio e coordenação. A massa óssea é relacionada à ação da musculatura sobre o osso, deste modo, exercícios gravitacionais são mais efetivos.
Um programa ideal de atividade física deve ter exercícios aeróbios de baixo impacto, exercícios de fortalecimento muscular e para melhora da propriocepção, a fim de diminuir a incidência de quedas.
Sabendo que é muito importante que esses exercícios sejam realizados com o paciente suportando o seu próprio peso, em função da força que os músculos exercem sobre os ossos da coluna e dos membros inferiores, o PhysicalMind Institute de Nova York desenvolveu o Standing Pilates.
Trata-se de exercícios do Método clássico desenvolvido por Joseph Pilates, adaptados para a posição de pé com a finalidade de aumentar alinhamento postural, desenvolver força, equilíbrio, concentração e aumentar a densidade mineral óssea.
Fonte: Breibart , Joan. Standing Pilates: Strengthen and Tone Your Body Wherever You Are.
escrito por admin

terça-feira, 17 de março de 2009

Treinamento Funcional

O treinamento funcional veio para ficar, e sem dúvida é a melhor ferramenta para manter o condicionamento e o corpo em forma.
A estimulação é diferente do treino tradicional na musculação, e esse é o principal diferencial que traz mais benefícios, acelerando o resultado dos treinos.
Alguns dos princípios do treinamento funcional foram expostos na revista Saúde é Vital.


AÇÃO


Nada de se sentar ou se apoiar. Durante o treino funcional é preciso movimentar o corpo inteiro. O objetivo é solicitar diversas habilidades físicas — FORÇA, FLEXIBILIDADE, COORDENAÇÃO, EQUILÍBRIO —, todas ao mesmo tempo, já que elas atuam em parceria na hora do esforço, na vida real.




TRIDIMENSIONAL


O exercício é executado em três planos — VERTICAL, HORIZONTAL e DIAGONAL.


O esforço é superior ao da musculação tradicional, em que os movimentos se restringem a um plano por vez.

SINERGIA
Os músculos trabalham em conjunto. Veja como, durante movimento, a força executada se transfere de uma parte a outra do corpo: primeiro os pés (1), passando por pernas (2), quadris (3), tronco (4) e, finalmente, chegando aos braços (5). Com isso a musculatura fica preparada para executar suas funções de maneira eficiente e sem dor.

EXERCÍCIO VERSÁTIL

Os exercícios trabalham mais de uma habilidade, embora uma sempre predomine.
Equílibrio: A superfície instável ativa os proprioceptores — terminações nervosas que funcionam como sensores de movimento e posição corporal.

O resultado é a melhora significativa do equilíbrio.

Os músculos profundos que sustentam a coluna e os abdominaisficam fortes.Olhe para baixo! Os pés são a interface entre o chão e o restante do corpo. Ou seja, se estão fortes e ágeis, ajudam a pessoa a se equilibrar e a fazer força.

Como o uso contínuo de sapatos os deixa frágeis e fracos, vale a pena executar alguns movimentos com eles descalços para exercitar a sua musculatura.
O objetivo do treino funcional é melhorar a qualidade de vida e a performance física e esportiva. As vantagens são maiores e logo você sente o resultado.


Flexão de membros inferiores, obs. quanto a manutenção postural.






Abdominal, com elevação de tronco.











Flexão de braços, observe quanto ao tronco reto e abdomen contraído afim de manter a postura trabalhando também musculatura do tronco.






Força musculatura do tronco (core).














1 2 3 4 5
  1. flexão de braços utilizando o peso do corpo como carga de trabalho, aproximar o aparelho do torax mantendo o tronco reto e abdomem contraído durante a execução


  2. Quadríceps , flexionar a perna estando a outra apoiada no aparelho, tome cuidado para o joelho não passar da ponta do pé durante a execução mantenha posturae equilíbrio.
Um exercício que desafia a lei da gravidade, no qual o corpo fica inclinado e totalmente suspenso por fitas de náilon, é uma das novidades para ganhar fôlego, força, equilíbrio e flexibilidade. As tiras, que podem ser usadas em casa, em parques, em academias e no trabalho.

No exercício funcional suspenso o conjunto de duas fitas reguláveis é sustentado por um mosquetão, tem manoplas paras as mãos e apoios para os pés, além de suporte para fixação em portas ou paredes.
Com o equipamento é possível alongar e fortalecer todos os músculos, a partir de inúmeras posições.
A vantagem é que a atividade pode ser realizada em pequenos espaços e o aluno não precisa ser de circo ou ginasta olímpico.
Por outro lado, o treino com as fitas exige bastante concentração e um pouco de força.
Tanto que não é recomendado para indivíduos totalmente sedentários.
Além disso, ficar inclinado, mesmo que por alguns minutos, deixa o corpo dolorido nas horas seguintes após o exercícios.
Com as fitas reguláveis o corpo inteiro é trabalhado, sem isolar músculos, como ocorre geralmente no treinamento de força convencional.
Há exercícios sentado, em pé, deitado, de costas e até totalmente de cabeça para baixo.
Apesar de fortalecer bíceps, tríceps, ombros, peito, quadríceps, posterior de coxa, costas e glúteos, as partes mais exigidas são os músculos da região abdominal e lombar. São eles que sustentam toda a estrutura.
Treino dura cerca de 30 minutos
Ela explica que as fitas não funcionam como aparelhos convencionais de musculação com indicações específicas para alguns grupamentos. As tiras acionam a musculatura profunda do corpo, exigem muito, e há risco de lesão.
O treinamento inicial tem cinco fases.

A primeiro é o aquecimento.

Depois o usuário treina membros superiores, inferiores, abdômen, lombar, glúteos e termina com alongamento.

Nesta fase são 15 exercícios e movimentos para todo corpo, em 18 minutos.



















No programa básico, os professores sugerem uma série de cada exercício, num total de 20 minutos a 30 minutos.



No nível intermediário, recomenda-se duas séries de cada exercício, num total de 30 minutos a 40 minutos.

Os mais preparados conseguem fazer até três séries de cada exercício, por 50 minutos.